o carapuceiro



NO CURSO DE MEDITAÇÃO DO TIO LYNCH

Para mi amigo Joca Reiners Terron

 

Aula nº 1: Quando voltou ao prato, o bistecossauro estava frio e com aquela crosta que entupiria até o coração de um tigre. Deu mais três espetadas, engoliu a cerveja preta e saiu assobiando pelas ruas da cidade, justo a cidade que não tinha mais coisa alguma para oferecer-lhe. Entre o primeiro corte na carne que ainda embutia o berro do boi e o seu mergulho na imensidão escura passaram-se dez minutos. Voltou de lá outro homem. Sorriu para os falsos Hare-Krishnas que iriam assaltar um banco dali a segundos. Passou na casa de um amigo e saldou uma dívida. Na casa de uma mulher retirou o passível dos mal-assombros amorosos.Deu esmolas, já não possuía a idéia de que o ato atrasaria a causa. Alguns passos adiante percebera também que a revolução é idéia fixa de pobres de espírito. Só não entendeu até agora, no justo momento em que desce a escadaria do metrô [sentido Consolação/Paraíso], porque o mergulho na imensidão escura se dera àquele modo: no raso estava inteiramente nu, mas o eu profundo teimava, com seus pés de pato, em vestir o mais colorido dos escafandros.



Escrito por xico sá às 23h44
[   ] [ envie esta mensagem ]




PRÓXIMO DESTINO: LINS, SÃO PAULO

Outubro é o mês dos cronistas no Viagem Literária, programa da Secretaria estadual da Cultura que leva escritores para um bate-papo em bibliotecas do interior. Nesta sexta, 17 de outubro, começo a minha expedição na terra do glorioso Elefante da Noroeste, a cidade de Lins. O encontro acontece às 10h, na Biblioteca Pública Nicolau Zarvos. Inté lá!



Escrito por xico sá às 11h34
[   ] [ envie esta mensagem ]




DA RAZÃO BATISMAL DESTE BLOG

     Dos vícios falar, não das pessoas. Mesmo com esse lema aparentemente sossegado e cristão, o padre beneditino e escriba de mancheia Miguel do Sacramento Lopes Gama (1791-1852), não deixava viv´alma livre da sua pena destemida. Todos queimavam no seu purgatório imaginário.

Mestre na crônica de costumes no Pernambuco da primeira metade do século XIX, nem carecia mesmo anotar os batismos das suas vítimas preferenciais. Bastava expor, no seu periódico, um vasto sortimento de carapuças à disposição dos leitores.

Tinha para todos os gostos e formatos de cabeças e cabeçorras. Assim era o Carapuceiro, “sempre moral e,so per accidens, político”, como o próprio religioso definia. Ali, nem mesmo os homens de batina e da sua convivência católica estavam livres da palmatória irônica de Lopes Gama.

O padre Carapuceiro, como ficaria conhecido por causa do jornal _hoje nome de famosa rua do Recife_, rezava pela cartilha do “ridendo castigat moris”, ou seja, rindo corrigimos os costumes.

 Dos amigos de batina, por exemplo, criticava “os padres e frades gamenhos”, aqueles cuja gabolice e os enxerimentos chamavam a atenção da praça. "Um clérigo ou um frade bamboleando-se, saracoteando as ancas, requebrando-se, de maneira que um Dominus vobiscum parece que é uma umbigada ao povo em festança de lundum", lascava nas suas folhas.

Os modos de macho e as modinhas de fêmea, naquela época sob ditadura estética dos franceses, também eram assuntos prediletos do padre, um pioneiro na defesa de uma moda brasileira, mais adequada ao calor e aos costumes dos trópicos. Era carapuça a torto e a direito. Nem mesmo o ingênuo e popular bumba-meu-boi escapou do seu laço. Ele achava a “brincadeira” ridícula.

O padre Carapuceiro era um homem-jornal. Ele mesmo escrevia, editava, diagramava, fazia as ilustrações e ainda distribuía o seu temido periódico. A sua crônica acabou sendo importantíssima, entre outros épicos, na pesquisa que resultou no clássico “Casa-Grande & Senzala”, de Gilberto Freyre.

Quem quiser provar do veneno do beneditino, é ler “O Carapuceiro”, uma antologia de textos organizada pelo historiador Evaldo Cabral de Mello para a coleção Retratos do Brasil, da Companhia das Letras. Mais de 150 anos da morte do padre, certamente ainda vai sobrar alguma farpa para o leitor de hoje. Ajuste a sua carapuça e boa leitura.



Escrito por xico sá às 04h07
[   ] [ envie esta mensagem ]




DO AMOR E O PODER

Um caso de amor proibido marcou a Revolução de 1817 em Pernambuco e arredores, o que resultou em governo independente no Nordeste cinco anos antes do afamado 7 de Setembro. O símbolo do movimento foi o enlace do líder patriota Domingos José Martins com Maria Teodora da Costa, jovem filha do comerciante português mais rico do Recife. Pense num amor de mover moinhos! Sempre na vanguarda, o Crato, no Kariri cearense, foi um dos mais interessantes focos da resistência. 

 

E dessa bela história toda saiu o romance A noiva da Revolução (editora Oboré) do jornalista e escritor Paulo dos Santos de Oliveira. O lançamento do livro acontecerá HOJE, dia 14 de outubro, terça-feira, às 19 horas, na Livraria da Vila dos Jardins, alameda Lorena 1.731, SP.

 

Como cratense, kaririense, recifense e cronista do amor e seus costumes, participo de um bate-papo, antes dos autógrafos, com Santos e o historiador Carlos Guilherme Mota. Ao final, uma canja ilustrada do artista Antônio Carlos Nóbrega. 

 

Apareçam queridos leitores e amigos! Estão convidadíssimos! E viva os noivos históricos!



Escrito por xico sá às 16h56
[   ] [ envie esta mensagem ]




OPERAÇÃO VVV -VESTIDO, VERÃO & VINGANÇA

Tubinhos, pretinhos básicos, com e sem alça, os brejeiros de chita. E o tomara-que-caia, amigo, você já testemunhou a queda de pelo menos um desses na vida? É lenda da alta e da baixa costura. Por mais que seque, nunca vi uma peça do gênero promover-nos um alumbramento. 

Ei, você ai, de cabelos brancos na fronte do artista, você mesmo, rapaz, deve se lembrar muito bem daquele que Sonia Braga vestia quando escalou o telhado, em Gabriela Cravo e Canela, no tempo em que rolava a novela das dez, recorda?

Alvíssaras, meu camarada, os vestidos voltaram à praça. A vingança. Não que tivessem sumido da história, das ruas, das festas, repartições e firmas. Mas andavam em baixa, suplantados pela praticidade burocrática das Evas modernas e suas calças, suas saias austeras e seus tailleurs, essas peças apolíneas que batem a carteira de Vênus, roubam a alma de Eros...

De tão neoliberais, os tailleurs são capazes de sair sozinhos para o trabalho....

Talvez tenha sido necessário, fazer o quê?, a onda recente de desfiles de moda de Nova York, Londres, Milão e Paris, para alertar para uma necessidade mais do que extremada: o retorno do vestido como peça sagrada e quase segunda pele das mulheres.

Tudo fica mais estranho ainda quando as passarelas começam a entender um pouco os homens héteros. Mas não deixa de ser um ótimo sintoma dos tempos.

Talvez a indústria da moda esteja pagando por todos os pecados anteriores. Redime-se lindamente do quanto enfeiou as belas mulheres.   

Nada nos cai tão bem ao desejo quanto um vestido.

Todo homem ama passear com uma mulher com a mais linda dessas peças. Mesmo os mais machões, que fingem ignorar a vestimenta da fêmea _reservando-se apenas a dar chiliques quando as vestes são muitas curtas.

Seja um Versace, que custa os olhos da cara, seja um baratinho de chita.

Homem que é homem, seja de Paris, Nova York ou do sertão dos Cariris, como o meu avô João Patriolino, vai à Maison, às Casas Pernambucanas ou à feira do seu município e traz uma bela peça ou um corte de tecido de presente para a amada. Até mesmo o Fabiano, que mal tinha um cobre no bolso, persona do livro “Vidas Secas”, de Graciliano Ramos, voltava da cidade com um corte de pano estampado para a sua mulherzinha magra, só o couro e o osso.

Mas mesmo que nos falte a devoção do presente, tudo indica que vocês, belas fêmeas, irão desfilar nos próximos verões com feminilíssimos vestidos.

Será lindo!

Até o velho e bom pretinho básico, que está em voga desde 1926, quando Chanel o desenhou pela primeira vez para a Vogue, agora  reaparece revigorado. Percebeu como manjo, Bibi Vestidinho?

V de verão e V de vestido para deixar mais faceiras as gazelas, para dar mais graça às cheinhas, para realinhar a beleza nobre das afilhadas de Balzac...

A peça nos põe, homens de todas as gerações e gostos, mais românticos. O mais tosco dos canalhas sucumbe como um romeiro de joelhos diante da santa.

Se for uma peça que deixe à mostra as saboneteiras, meu Deus, que lindo vexame! E uma mulher com o joelho à mostra... nas cidades mais frias que sempre exigem roupas mais compostas?

Noooooosssssaa!, como diria o velho Costinha.

Ora, você nem carece ser a mais bela por completo, isso é utopia e ditadura de & modinhas, você carece ter apenas uma linda parte pelo todo, como aquela figura de linguagem, a tal da metonímia que aprendemos no colégio.

Mulher é parte pelo todo. Uma linda omoplata, um pescoço, ombrinhos, pés, calcanhares mais lindos, batatas de pernas invejáveis, belos braços...

Aí ficará ainda mais linda de vestido, ao contrário das calças e outras tantas armaduras medievais que escondem o que nos enlouquece, o melhor dos nossos mundos.

Esconder, achando que pode ser vantajoso depois, é besteira. O charme é mostrar-se, ter a coragem, mesmo com o que você supõe ser uns quilinhos a mais. Na balança das nossas retinas e trenas, isso pode ter importância de menos, quase nada, alguns gramas de preconceito e baitolice na cabeça de homens que já não valiam a pena mesmo.



Escrito por xico sá às 13h40
[   ] [ envie esta mensagem ]




AMOR DE SEGUNDA-FEIRA

Só os homens e mulheres que têm amantes nas firmas e nas repartições amam a segunda-feira.

Eles amam este dia como os seus próprios objetos e alvos do desejo.

Segunda é o dia sagrado dos amantes de escritórios, redações, bancos, editoras, almoxarifados, restaurantes, varejões Ceasas, tomate e maravilha como na canção do Arnaldo Baptista...

Sim, alguém levantaria a mão, nessa exata hora, com ou sem moralismo, pedindo a palavra, e diria, aproveitando as obviedades do centenário machadiano: e aos traídos a velha batata quente da chapa da existência!!! 

Depois de esperarem o sábado e o domingo, resignados ou aos coices internos no juízo, os amantes de repartições ou firmas voltam assobiando aos seus postos, mesmo nas funções mais duras e escravas, mesmo que a burocracia lhes reservem apenas o lirismo comedido antes do almoço no quilo barato.

As criaturas que têm amantes nas empresas seriam uma incógnita para o velho Karl Marx , cada dia mais atual com a quebradeira dos mercados: seriam a quintessência da mais-valia, uma vez que retornam felizes à labuta e assim produzem mais ainda de forma lindamente alienada? Seriam uma ressaca a mais, esse belo antídoto ao kapital, levando-se em conta que os beijos e amassos na escada representam prejuízos na cadeia econômica?

Noves fora as reflexões marxistas (o viejo Karl mesmo quebrou a corrente e a classe ao ter como amante a empregada doméstica), reparem no sorriso de segunda-feira do homem ou da mulher que têm amantes na firma!

Eles batem o relógio de ponto ou passam o crachá na catraca como quem alcançam o ponto G ao primeiro minuto de jogo.

Eles fazem aquelas reuniões chatíssimas, aquelas em que as pessoas se anulam e conjugam no plural das corporações –NOSSA EMPRESA, NOSSAS AÇÕES, NOSSO PREJU, NÓS DA FIRMA!- com um sorriso acima do bem e do mal do kapitalismo.

Esse amor, seja que diabo for, não deixa de ser lindo, pois quebra de alguma maneira a corrente burra do trabalho e dos dias, como diria o velho Hesíodo. Alguém se dirige ao matadouro pensando em algo que não seja somente enricar o patrãozinho branco e reacionário! Porque um beijo na boca na escada, por mais que seja na firma, sítio do antitesão por excelência, vale mais do que a mais rentável das ações de um homem de negócios.

Mas não politezemos o beijo, sem ideologia para o simples e inadiável desejo do pau duro ou da buceta molhada –essas inegociáveis mercadorias da natureza, essas anticommodities do mundo e de Deus, seja de que religião comungue a criatura da firma.

Só queria dizer que hoje é segunda e alguém está feliz com essa maldita folhinha do calendário.

Sexta-feira a história já será outra de novo. Até lá teremos futebol, tédio de graça, contas a pagar, almoços a quilo, noites mal-dormidas e amores a rodo.



Escrito por xico sá às 14h37
[   ] [ envie esta mensagem ]


[ ver mensagens anteriores ]




 

Histórico
  17/06/2012 a 23/06/2012
  24/07/2011 a 30/07/2011
  19/12/2010 a 25/12/2010
  28/11/2010 a 04/12/2010
  21/11/2010 a 27/11/2010
  24/10/2010 a 30/10/2010
  17/10/2010 a 23/10/2010
  03/10/2010 a 09/10/2010
  26/09/2010 a 02/10/2010
  29/08/2010 a 04/09/2010
  22/08/2010 a 28/08/2010
  15/08/2010 a 21/08/2010
  08/08/2010 a 14/08/2010
  01/08/2010 a 07/08/2010
  11/07/2010 a 17/07/2010
  04/07/2010 a 10/07/2010
  20/06/2010 a 26/06/2010
  06/06/2010 a 12/06/2010
  30/05/2010 a 05/06/2010
  23/05/2010 a 29/05/2010
  16/05/2010 a 22/05/2010
  09/05/2010 a 15/05/2010
  02/05/2010 a 08/05/2010
  25/04/2010 a 01/05/2010
  11/04/2010 a 17/04/2010
  04/04/2010 a 10/04/2010
  28/03/2010 a 03/04/2010
  21/03/2010 a 27/03/2010
  07/03/2010 a 13/03/2010
  28/02/2010 a 06/03/2010
  21/02/2010 a 27/02/2010
  14/02/2010 a 20/02/2010
  07/02/2010 a 13/02/2010
  31/01/2010 a 06/02/2010
  24/01/2010 a 30/01/2010
  17/01/2010 a 23/01/2010
  13/12/2009 a 19/12/2009
  06/12/2009 a 12/12/2009
  29/11/2009 a 05/12/2009
  22/11/2009 a 28/11/2009
  15/11/2009 a 21/11/2009
  08/11/2009 a 14/11/2009
  01/11/2009 a 07/11/2009
  25/10/2009 a 31/10/2009
  18/10/2009 a 24/10/2009
  11/10/2009 a 17/10/2009
  04/10/2009 a 10/10/2009
  27/09/2009 a 03/10/2009
  20/09/2009 a 26/09/2009
  13/09/2009 a 19/09/2009
  06/09/2009 a 12/09/2009
  30/08/2009 a 05/09/2009
  23/08/2009 a 29/08/2009
  16/08/2009 a 22/08/2009
  09/08/2009 a 15/08/2009
  02/08/2009 a 08/08/2009
  26/07/2009 a 01/08/2009
  19/07/2009 a 25/07/2009
  12/07/2009 a 18/07/2009
  05/07/2009 a 11/07/2009
  28/06/2009 a 04/07/2009
  21/06/2009 a 27/06/2009
  14/06/2009 a 20/06/2009
  07/06/2009 a 13/06/2009
  31/05/2009 a 06/06/2009
  24/05/2009 a 30/05/2009
  17/05/2009 a 23/05/2009
  10/05/2009 a 16/05/2009
  03/05/2009 a 09/05/2009
  26/04/2009 a 02/05/2009
  19/04/2009 a 25/04/2009
  12/04/2009 a 18/04/2009
  05/04/2009 a 11/04/2009
  29/03/2009 a 04/04/2009
  22/03/2009 a 28/03/2009
  15/03/2009 a 21/03/2009
  08/03/2009 a 14/03/2009
  01/03/2009 a 07/03/2009
  22/02/2009 a 28/02/2009
  15/02/2009 a 21/02/2009
  08/02/2009 a 14/02/2009
  01/02/2009 a 07/02/2009
  25/01/2009 a 31/01/2009
  18/01/2009 a 24/01/2009
  11/01/2009 a 17/01/2009
  14/12/2008 a 20/12/2008
  07/12/2008 a 13/12/2008
  30/11/2008 a 06/12/2008
  23/11/2008 a 29/11/2008
  16/11/2008 a 22/11/2008
  09/11/2008 a 15/11/2008
  02/11/2008 a 08/11/2008
  26/10/2008 a 01/11/2008
  19/10/2008 a 25/10/2008
  12/10/2008 a 18/10/2008
  05/10/2008 a 11/10/2008
  28/09/2008 a 04/10/2008
  21/09/2008 a 27/09/2008
  14/09/2008 a 20/09/2008
  07/09/2008 a 13/09/2008
  31/08/2008 a 06/09/2008
  24/08/2008 a 30/08/2008
  17/08/2008 a 23/08/2008
  10/08/2008 a 16/08/2008
  03/08/2008 a 09/08/2008
  27/07/2008 a 02/08/2008
  20/07/2008 a 26/07/2008
  13/07/2008 a 19/07/2008
  06/07/2008 a 12/07/2008
  29/06/2008 a 05/07/2008
  22/06/2008 a 28/06/2008
  15/06/2008 a 21/06/2008
  08/06/2008 a 14/06/2008
  01/06/2008 a 07/06/2008
  25/05/2008 a 31/05/2008
  18/05/2008 a 24/05/2008
  11/05/2008 a 17/05/2008
  04/05/2008 a 10/05/2008
  27/04/2008 a 03/05/2008
  20/04/2008 a 26/04/2008
  13/04/2008 a 19/04/2008
  06/04/2008 a 12/04/2008
  30/03/2008 a 05/04/2008
  23/03/2008 a 29/03/2008
  16/03/2008 a 22/03/2008
  09/03/2008 a 15/03/2008
  02/03/2008 a 08/03/2008
  24/02/2008 a 01/03/2008
  17/02/2008 a 23/02/2008
  10/02/2008 a 16/02/2008
  03/02/2008 a 09/02/2008
  27/01/2008 a 02/02/2008
  20/01/2008 a 26/01/2008
  13/01/2008 a 19/01/2008
  06/01/2008 a 12/01/2008
  16/12/2007 a 22/12/2007
  09/12/2007 a 15/12/2007
  02/12/2007 a 08/12/2007
  25/11/2007 a 01/12/2007
  18/11/2007 a 24/11/2007
  11/11/2007 a 17/11/2007
  04/11/2007 a 10/11/2007
  28/10/2007 a 03/11/2007
  21/10/2007 a 27/10/2007
  14/10/2007 a 20/10/2007
  07/10/2007 a 13/10/2007
  30/09/2007 a 06/10/2007
  23/09/2007 a 29/09/2007
  16/09/2007 a 22/09/2007
  09/09/2007 a 15/09/2007
  02/09/2007 a 08/09/2007
  26/08/2007 a 01/09/2007
  19/08/2007 a 25/08/2007
  12/08/2007 a 18/08/2007
  05/08/2007 a 11/08/2007
  29/07/2007 a 04/08/2007
  22/07/2007 a 28/07/2007
  15/07/2007 a 21/07/2007
  08/07/2007 a 14/07/2007
  01/07/2007 a 07/07/2007
  24/06/2007 a 30/06/2007
  17/06/2007 a 23/06/2007
  10/06/2007 a 16/06/2007
  03/06/2007 a 09/06/2007
  27/05/2007 a 02/06/2007
  20/05/2007 a 26/05/2007
  13/05/2007 a 19/05/2007
  06/05/2007 a 12/05/2007
  29/04/2007 a 05/05/2007
  22/04/2007 a 28/04/2007
  15/04/2007 a 21/04/2007
  08/04/2007 a 14/04/2007
  01/04/2007 a 07/04/2007
  25/03/2007 a 31/03/2007
  18/03/2007 a 24/03/2007
  11/03/2007 a 17/03/2007
  04/03/2007 a 10/03/2007
  25/02/2007 a 03/03/2007
  18/02/2007 a 24/02/2007
  11/02/2007 a 17/02/2007
  04/02/2007 a 10/02/2007
  28/01/2007 a 03/02/2007
  21/01/2007 a 27/01/2007
  14/01/2007 a 20/01/2007
  07/01/2007 a 13/01/2007
  31/12/2006 a 06/01/2007
  17/12/2006 a 23/12/2006
  10/12/2006 a 16/12/2006
  03/12/2006 a 09/12/2006
  26/11/2006 a 02/12/2006
  19/11/2006 a 25/11/2006
  12/11/2006 a 18/11/2006
  05/11/2006 a 11/11/2006
  29/10/2006 a 04/11/2006
  22/10/2006 a 28/10/2006
  15/10/2006 a 21/10/2006
  08/10/2006 a 14/10/2006
  01/10/2006 a 07/10/2006
  24/09/2006 a 30/09/2006
  17/09/2006 a 23/09/2006
  10/09/2006 a 16/09/2006
  03/09/2006 a 09/09/2006
  27/08/2006 a 02/09/2006
  20/08/2006 a 26/08/2006
  13/08/2006 a 19/08/2006
  06/08/2006 a 12/08/2006
  30/07/2006 a 05/08/2006
  23/07/2006 a 29/07/2006
  16/07/2006 a 22/07/2006
  09/07/2006 a 15/07/2006
  02/07/2006 a 08/07/2006
  25/06/2006 a 01/07/2006
  18/06/2006 a 24/06/2006
  11/06/2006 a 17/06/2006
  04/06/2006 a 10/06/2006
  28/05/2006 a 03/06/2006
  21/05/2006 a 27/05/2006
  14/05/2006 a 20/05/2006
  07/05/2006 a 13/05/2006
  30/04/2006 a 06/05/2006
  23/04/2006 a 29/04/2006
  16/04/2006 a 22/04/2006
  09/04/2006 a 15/04/2006
  02/04/2006 a 08/04/2006
  26/03/2006 a 01/04/2006
  19/03/2006 a 25/03/2006
  12/03/2006 a 18/03/2006
  05/03/2006 a 11/03/2006
  26/02/2006 a 04/03/2006
  19/02/2006 a 25/02/2006
  12/02/2006 a 18/02/2006
  05/02/2006 a 11/02/2006
  29/01/2006 a 04/02/2006
  22/01/2006 a 28/01/2006
  15/01/2006 a 21/01/2006
  08/01/2006 a 14/01/2006
  01/01/2006 a 07/01/2006
  25/12/2005 a 31/12/2005
  18/12/2005 a 24/12/2005
  11/12/2005 a 17/12/2005
  04/12/2005 a 10/12/2005
  27/11/2005 a 03/12/2005
  20/11/2005 a 26/11/2005
  13/11/2005 a 19/11/2005
  06/11/2005 a 12/11/2005
  30/10/2005 a 05/11/2005
  23/10/2005 a 29/10/2005
  16/10/2005 a 22/10/2005
  09/10/2005 a 15/10/2005
  02/10/2005 a 08/10/2005
  25/09/2005 a 01/10/2005
  18/09/2005 a 24/09/2005
  11/09/2005 a 17/09/2005
  04/09/2005 a 10/09/2005
  28/08/2005 a 03/09/2005
  21/08/2005 a 27/08/2005
  14/08/2005 a 20/08/2005
  07/08/2005 a 13/08/2005
  31/07/2005 a 06/08/2005
  24/07/2005 a 30/07/2005
  17/07/2005 a 23/07/2005
  10/07/2005 a 16/07/2005
  03/07/2005 a 09/07/2005
  26/06/2005 a 02/07/2005
  19/06/2005 a 25/06/2005
  12/06/2005 a 18/06/2005
  05/06/2005 a 11/06/2005
  29/05/2005 a 04/06/2005
  22/05/2005 a 28/05/2005
  15/05/2005 a 21/05/2005
  08/05/2005 a 14/05/2005
  01/05/2005 a 07/05/2005
  24/04/2005 a 30/04/2005


Outros sites
  Editora do Bispo
  Blog da editora do bispo
  aurora boulevard, uma janela para o melhor da existência
  notasubmersas - mergulho en la isla encantada
  Sorte & Azar S/A
  La liga de la vesga y outros debujos incriibles
  balcan beat box & nikolai gogol bordelo
  Portunhol selvagem és mi pátria y mi lengua
  Doktor Estranho - pense!
  eraOdito, o homi, o mito, o kabrito, vale o escrito
  El Impostor y sus presídios de buelsillo
  jazz do interior by bombig
  sabe aquele cara do cheiro do ralo?
  scottlândia & otros darwinismos gauches
  Bortolotto, uiscão y raiban
Votação
  Dê uma nota para meu blog



O que é isto?